Convite a quem nos visita

terça-feira, 4 de julho de 2017

Entrevista do padre Mário de Oliveira

Saiu no Diário de Notícias do Funchal impresso no dia 2 de julho de 2017...
 1. Poucas novidades. Os temas que o acompanham sempre. À cabeça Fátima; a questão do poder; o Papa ou os Papas; o Cristianismo que veio dos apóstolos e não de Jesus e as pessoas (umas que se aceitam porque são livres e as outras, a maioria que são ovelhas mansas telecomandadas).

2. O fenómeno de Fátima é uma obsessão para o padre Mário de Oliveira. Por um lado, ainda bem, porque mantem a chama acesa de que é preciso refletir sobre o que se passou e passa no Santuário de Fátima. Negar a reflexão e o pensamento, a favor e contra Fátima, é fundamentalismo.
Nesse domínio tiro-lhe o chapéu e digo que faz avivar frequentemente o pensamento de muitos vir a lume a sua opinião acerca do fenómeno de Fátima. A forma como o diz, é discutível e quiçá podia surtir outro efeito se fosse dito com menos radicalismo e menos dando a ideia de que ali está implantado um «poder» tenebroso que esconde sabe lá Deus coisas deste mundo e do outro. Também podia ser mais benéfico se dissesse as coisas que diz sobre Fátima, sem considerar que todos os que lá vão são todos uns doentes mentais que se deixam dominar pelo tal poder açambarcador e dominador deste mundo e do outro. Enfim, um tema delicado que incendeia cabeças e corações. Eu vou perdendo a paciência para falar sobre Fátima…
3. Outra questão que sempre acompanha o pensamento do padre Mário de Oliveira é o tema do Papado.
Os Papas são todos uns papões, que são sempre maus. Não se lhes tolera que errem algumas vezes apenas, mas que estão sempre a cometer erros a todas as horas. Nenhum Papa só porque é Papa presta. Não vejo assim.
Há muitas coisas criticáveis nos Papas e também acho que eventualmente podiam fazer mais pela fraternidade na Igreja e menos pelo poder, até podiam reclamar um poder verdadeiramente serviço que incluísse todas as pessoas, tenham as condições que tiverem, os pecados e todas as misérias que acompanham a humanidade.
É injusto o que diz sobre o Papa Francisco, que continua a remar contra ventos e mares a «barca de Pedro». Não se lhe vê nenhum gesto de desprendimento? Nenhum sinal de que quer mudar a Igreja, apelando para que Ela se torne um «hospital de campanha»? A guerra declarada e escondida contra o Papa Francisco, surge porque ele anda só a rezar e a celebrar missas, ou porque ele tem apelado à inclusão de todos os que falharam no projeto matrimonial e tem feito ver aos poderosos da Igreja e do mundo que precisam de conversão? Não trouxe nada de novo o Papa Francisco ao mundo e a uma instituição milenar, apegada aos costumes e tradições muito antigas, que custa tanto mudar e acabar com elas? Não é ele que tem denunciado e apelado à simplicidade nas vestimentas, nas rezas, nas devoções e nos sacrifícios exagerados? Não é ele que tem feito apelos para que a Igreja seja pobre e esteja com os pobres? – Enfim, tanta coisa que está mal, é bem verdade, mas que precisa de muita cautela, inteligência e sabedoria para mudar… A corte de machado, não me parece que cheguemos lá…   

4. O Cristianismo que temos é o que veio dos Apóstolos e não o que Cristo deixou, diz o padre Mário de Oliveira. Daí a conclusão: «o Cristianismo é império», «o Cristianismo é todo corrupto». É um tema interessante, mas não me parece estar bem colocado.
Eu creio que o Cristianismo que temos veio de Cristo e que continua a merecer ser vivido e aperfeiçoado. Obviamente, que a instituição que temos não deve ser a que Cristo idealizou, mas é esta que temos e que a tradição fez. Mas também, é óbvio que precisa de conversão constante até que um dia se torne verdadeiramente sinal para o mundo de que a fraternidade é possível. É um sonho que devemos perseguir com coragem.
Não foram deste Cristianismo as grandes figuras que o seguiram e o estudaram com verdade e sinceridade? – Eram tolos: São Paulo; Orígines, Santo Tomás de Aquino, São Agostinho, Mestre Eckhart, São João da Cruz, Santa Teresa de Ávila que foi a primeira mulher a receber o título de doutora da igreja, Santa Teresa de Lisieux ou Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face, que viveu neste mundo só 24 anos, no final do século XIX, Pascal, São Francisco de Assis, Thomas Merton, Charles de Foucauld, Edith Stein, Dietrich Bonhoeffer, Dom Helder Câmara, Dom Pedro Casaldáliga, o Santo Papa João XXIII e até em tantas coisas o Santo Papa João Paulo II e Santa Madre Teresa de Calcutá… Estes apenas entre tantos outros que beberam do Cristianismo vindo de Cristo e dos Apóstolos, que nos devem inspirar a uma prática de um Cristianismo que radique no bem, na amizade e na fraternidade do Evangelho de Jesus Cristo.
Enfim, não me parece justo considerar-se uns porque não encaixam nos parâmetros pessoais de alguém, serem considerados anormais, até porque ficou dito tão claramente: «As pessoas são liberdade. Nós somos liberdade essencialmente. Se sai a liberdade em nós, desaparecemos como seres humanos. A liberdade é tipo vento, é como o vento. Eu gosto muito de dizer que já fui homem e agora sou o vento». Aqui está o cerne da questão, se um é, porque não são também os outros? Ou porque têm que ser os outros, ovelhas mansas telecomandadas sem cabeça e sem coração? 

Sem comentários: